Universidade Sénior do Seixal

“Paula Rego-sempre viva”

Ontem dia 18 de julho, no auditório da Unisseixal, integrado nas atividades “Julho Com Vida” 2022, com apresentação do prof. Jaime Ribeiro,  fez-se uma justa homenagem a Paula Rego, uma das maiores artistas plásticas (pintora)  nacionais, reconhecida internacionalmente, falando de algumas das suas obras.

Paula Rego, nasceu em Lisboa em 26 de janeiro de 1935 e faleceu em Londres a 8 de junho de 1922. Foi uma pintora luso-britânica, condecorada pelo Governo Português e pela Rainha Isabel II.

Oriunda de uma família de tradição republicana e liberal, Paula Rego teve ligações às culturas inglesa e francesa. Iniciou os seus estudos no Colégio Integrado Monte Maior, em Loures, seguindo para a St. Julian’s School, em Carcavelos, onde os professores cedo lhe reconheceram o talento para a pintura.

Incentivada pelo pai a prosseguir o seu desenvolvimento artístico fora do país salazarista dos anos 50, partiu para Londres, onde estudou na Slade School of Fine Art, até 1956.

Em Londres conheceu o pintor Victor Willing, com quem se casou em 1959.

Ao longo da década de 1960, a viver na região da Ericeira, em Portugal e continuou a participar em exposições coletivas em Inglaterra e, em 1966, entusiasma a crítica ao expor individualmente pela primeira vez, na Galeria de Arte Moderna da Escola de Belas-Artes de Lisboa.

Torna-se bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian para fazer pesquisa sobre contos infantis, em 1975, e figura com 11 obras na exposição Arte Portuguesa desde 1910 (1978), dominado pelas colagens.

Dá uma viragem radical na sua obra com a série da Menina e do Cão. Nela, a figura feminina assume claramente a liderança na ação, enquanto o cão é subjugado e acarinhado. A menina faz de mãe, de amiga, de enfermeira e de amante, num jogo de sedução e de dominação que continua em obras posteriores. Tecnicamente as figuras ganham volume, o espaço ganha solidez e autonomia, a perspetiva cenográfica está montada.

Em 1987 Paula Rego assina com a galeria Marlborough Fine Art, o passo que ainda faltava para a sua divulgação internacional. A morte do seu marido, ocorrida em 1988, é assinalada em obras como O Cadete e a Irmã, A Partida, A Família ou A Dança, de 1988.

Em 1994 realiza a série de pinturas a pastel intitulada Mulher Cão, que marca o início de um novo ciclo de mulheres simbólicas.

Demonstrando uma crítica ao resultado do primeiro referendo ao aborto, realizado em Portugal em 1997, pinta O Aborto (1997-1999).

Em 2006 aceitou o convite que lhe foi dirigido pelo Presidente da Câmara Municipal de Cascais, para expor em permanência a sua obra no concelho onde viveu grande parte da sua infância.

Assim  nasceu a Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, inaugurada a 18 de Setembro de 2009, e que tem o intuito de acolher,  promover a divulgação e estudo da sua obra,  cuja entidade responsável é a Fundação Paula Rego. A par de Maria Helena Vieira da Silva, Paula Rego é a pintora portuguesa mais aclamada a nível internacional, estando colocada entre os quatro maiores pintores vivos em Inglaterra.

Para terminar esta agradável tarde, nada melhor que um pouco de música, a cargo da turma de violas e cavaquinhos do prof. Lino Madruga. Bons momentos musicais com temas populares, bem conhecidos do público presente que acompanhou cantando e batendo palmas, encerrando assim desta forma, alegremente, esta tarde cultural.

Ficam aqui alguns registos desta agradável tarde.

AM/BM

Não é tarde não é cedo

Solament una Vez

Sem comentários ainda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Comentários recentes