Universidade Sénior do Seixal

A nossa Festa de Natal

Mais uma festa de Natal da comunidade da Casa do Educador do Seixal, Unisseixal e Cesviver. Foi ontem, dia 14 de Dezembro, que uma multidão encheu o amplo salão da Igreja Scalabrini na Amora, com o espírito natalício bem vivo.

Os dirigentes apresentaram-se em palco para desejar boas festas e, ao mesmo tempo, para todos saberem quem são os que dão o corpo ao manifesto neste empreendimento que atinge pelo menos um milhar de pessoas pela CES, pela Unisseixal e pela Cesviver.

Com muitos voluntários que antecipadamente vão preparando o salão para a festa e recebendo as iguarias a ser partilhadas, as mesas vão-se enchendo de gostosos petiscos e guloseimas do tempo, enquanto os pratos, os talheres e as bebidas se arrumavam em mesas laterais.

O convívio decorreu na maior das calmas, a contento de todos, sem atropelos, o que mostra bem o espírito de boa relação que se pratica diariamente entre todos, mais ilustres e menos conhecidos, doutor ou pouco instruído. A alegria espelhava-se nos rostos e muitos aproveitaram o momento para ver caras que há muito não viam, conversando em pé pela sala. Ouvi quem vinha pela primeira vez falar do espanto em ver toda a gente a conviver e muitos eram aqueles que ali partilhavam a refeição.

Além dos acepipes espalhados antecipadamente pelas mesas, havia ao lado um conjunto de panelas de grande porte com comida de garfo, da tal que só de olhar faz crescer o apetite. Fiquei preso sobretudo àquela feijoada de javali, mas não perdi o bacalhau à Brás, o bacalhau dourado que, menino e moço, comia na Pousada de Elvas.

Após o repasto que aqueceu os corpos, era tempo de encher a alma. A segunda parte da nossa festa de Natal, de uma maneira despretensiosa, simples e cheia de boa disposição, foi preenchida pelas canções de Natal do Coral Polifónico da Unisseixal, a abrir, pelos poemas lidos primorosamente pela Dores e pela Amélia Lopes, pela participação da Cesviver em canções onde se notava bem a voz timbrada da Alice e, por fim, por uma animação teatral onde sobressaiu tanto a mensagem de Natal quanto a leveza e graça das participantes, que se prestaram a brincar em palco de um modo gracioso que a todos encantou. O tema? Perguntava-se “qual era o verdadeiro espírito de Natal”… E não é que ninguém acertava! Foram buscar o pinheirinho, as prendas, a mesa farta, o convívio familiar e nada… Veio finalmente o Menino Jesus! Aí, sim! Cantámos todos ao Menino e acabámos a festa com votos de felicidade e sem cansarmos ninguém…

Uma palavra final para os voluntários que trabalham na sombra e tão importantes são. E um agradecimento à paróquia de Amora pela cedência deste belo espaço.

As fotos (do Casal Maia) contam  o resto. Ena, tanta gente…

AH

E foi assim o nosso Natal

3 Commentários

  1. José Capelo José Capelo
    Saturday, 15 de December de 2018    

    Parabéns a todos e Boas Festas! Também neste texto está reflectido todo o espírito desta nossa “Grande Casa” .

  2. Frederico Frederico
    Sunday, 16 de December de 2018    

    Peço desculpa . mas quem escolheu a música que acompanha o video?..mas que tortura.. em vez de festa , mais parece um velório …

    • Monday, 17 de December de 2018    

      No meio das inabilidades com que trabalho, procurando embora ultrapassá-las, escolhi uma música que não ferisse muito o ouvido. Se o meu amigo não está de acordo, eu respeito. Depois, há sempre o problema dos direitos de autor… Mas eu já fico contente por ser capaz de mexer nestas novas linguagens aos 79 anos de idade. Votos de um bom Natal. António Henriques

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com