Universidade Sénior do Seixal

Quarta-Feira Cultural-Falar Mirandês

-“A IMPORTÂNCIA DE ESCREVER E PUBLICAR EM MIRANDÊS”

A vice-reitora da Unisseixal, professora Mariana Mareco, fez a apresentação dos palestrantes e com um dizer em voz dupla (Português e Mirandês) com Dr. António Cangueiro e Faustino Antão, este na qualidade de autor do livro:

“Meia Ambuça de Cuontas” – (Uma Mão Cheia de Contos).

Também presentes na sala estavam Francisco Domingues e esposa D. Irene Domingues  que leram textos escritos em língua mirandesa, a saber um texto lido em 1999 aos deputados da Assembleia da Republica e um escrito por Leite de Vasconcelos em 1884.

O Dr. António Cangueiro optou por efetuar a palestra em Mirandês prestando-se aos esclarecimentos em Português sempre que se justificasse.

Fez uma  resenha histórica da evolução da língua mirandesa e a grande participação de alguns intervenientes na sua divulgação, com um especial realce para  Amadeu Ferreira.

Natural de Sendim, concelho de Miranda do Douro, Amadeu Ferreira, escreveu vários livros e chegou a traduzir varias obras para mirandês, como Os Lusíadas, de Luís de Vaz de Camões, Mensagem de Fernando Pessoa, entre outras obras.

Após algumas intervenções e esclarecimentos, foi tempo do Dr. António Cangueiro fazer a apresentação do livro:

“MEIA AMBUÇA DE COUNTAS” de Faustino Antão.

Autor de outros livros já publicados, reflete neste a sua relação com as pessoas, à terra, a vida no campo onde sentia a liberdade.

Evoluindo pela sua juventude, com agrado da vida, pormenores sentidos desses dias que faziam sua felicidade.

Deixou-nos um desafio para lermos e discutirmos este livro.

O nosso amigo Faustino Antão agradeceu a presença de todos e a oportunidade que a Unisseixal lhe permitir fazer esta divulgação.

Deu-nos de seguida uma breve explicação deste seu livro de contos que foi escrevendo, das suas vivências, no sentido da necessidade que sentiu de contribuir para a divulgação da Língua Mirandesa.

Por ultimo o nosso agradecimento para todos os que esforçam para incrementar o gosto da leitura e divulgação do Mirandês como segunda língua oficial portuguesa.

José Capelo      2017-05-24                           com fotos de Alberto Maia

Vejam também um texto em Mirandês publicado por Faustino Antão no seu blog dedicado a este tema:  http://frolesmirandesas.blogspot.pt/

“A Importáncia de Escrever e Divulgar Mirandês e lançamento do libro Meia Ambuça de Cuontas”

Cul mote “A Importáncia de Escrever e Divulgar Mirandês e lançamento do libro Meia Ambuça de Cuontas” decorriu mais ua Quarta-Feira Cultural, ancerida nas sessones pormobidas pul’Unisseixal, ne l ouditório de la Junta de Freguesie d'Amora-Seixal. 

L’abertura de la sesson fui feita pula Bice-Reitora Srª Porfª Mariana Mareco, que deixou an nome de to l’eiquipa de la Reitorie palabras d’agrado i sastisfaçon por mais ua beç ne l ouniberso d’atebidades recreatibas i culturales tener pula terceira beç la Lhéngua Mirandesa. 

Apersentado çpuis ls anterbenientes que fúrun António Cangueiro cumo ourador i Faustino Antão cumo outor.

A modos de prólogo i cul oubjetivo de purparar to l mundo que staba naqueilha sala pa l mote an queston, fui lido l mesmo testo que an 1999 n’Assemblé de la Republica fui apersentado als deputados, quando reconhecírun i oufecializórun ls dreitos lhenguístico de la quemunidade mirandesa pul porsor Francisco Domingues, de l mesmo modo la cunterránea Srª Irene Domingues liu ls bersos que l ambestigador Leite de Vasconcellos screbiu i publicou an 1884.

Dado que stában lhançados ls dados de todo l que s’eirie passar fui la beç de António Cangueiro fazer ua eicelente çcriçon donde benie la fala mirandesa, sue ourige, sou território l’ambolbéncia que tenie esta fala ne l Reino de Lhion, de ls sous gobernantes, sues populaçones. Cumo sendo un meio de quemunicaçon fui tamien eilemiento decisibo ne l zarrolho dua quemunidade i sue cebelizaçon. L’amportáncia que tubo i ampenho de ls falantes para que chegasse anté ls nuossos dies i ser reconhecida cumo lhéngua oufecial de la nuossa Nacion. Balorizando l trabalho de todos aqueilhes q’ambestigórun i lhuitórun para q’hoije tenga un Cumbençon Ourtográfica, seia scrita i pormobida. Ponendo an çtaque todo l trabalhou, l que fizo i pormobiu l ambestigador i Mestre Drº Amadeu Ferreira que mos deixou an Marçio de 2015. Puis fui par’alhá de la sue ambolbéncia d’outor/scritor de muitos trabalhos d’ambestigaçon, lhibros, manifestos, cumo poeta, tradutor, ourador, porsor i dinamizador  repunsable por cursos d’ansino de l mirandés (cul porº Francisco Domingues) na region de Lisboua. Ancerrou sue anterbencion balorizando l lhibro “Meia Ambuça de Cuontas” ne l campo lhiterairo, l’amportáncia que ten screbir ne ls dies d’hoije an mirandés, l rialismo i carino que ten l outor quando scribe, anriquecendo este património.

Subre l lhibro falou l outor, çtacando ls cuntenidos de las cuontas, sues eras i tamanhos, ls oujetibos que ténen i la rezon de séren puostas an lhibro i publicadas. Cuontas de bários tamanhos, que fúrun screbidas al lhargo de ls anhos, cumo treino de scrita i relhato de las bibéncias, ne l medrar social. Cuontas screbidas sien apeias nien prouas, cuontas que son l reconhecimiento al pobo mirandés que trouxo anté ls nuossos dies esta fala, als ambestigadores, porsores, scritores, quier stéian antre nós ou que yá mos deixórun, pul sfuorço i ampeinho. Cuontas cul oubjetivo de registrar todo un bocabulairo que se nun fur acautelado se puode perder para siempre.

Antes d’ancerrar la sesson houbo tiempo para percuras i respuostas, fúrun lhidos bersos d’outorie de Drº Amadeu Ferreira an mirandés pul porsor Francisco Domingues i an pertués pula porsora Mariana Mareco.

Bien háian todos, ls que perponírun, ls que partecipórun, ls que fazírun percuras i n’assemblé stubírun puis fui gráçias a eilhes que mais ua beç la lhéngua i cultura mirandesa stubo an çtaque. 

Stá de parabienes la cultura.

Bien háiades.

 

 

Sem comentários ainda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *