Universidade Sénior do Seixal

Serra de Montejunto e Alenquer

VISITA DE ESTUDO À SERRA DE MONTEJUNTO E ALENQUER

Mais uma vez a Professora Mariana Mareco promoveu, no âmbito da disciplina de Questões Ambientais, uma visita de estudo bastante educativa, com muita cultura, que para além do conhecimento nos proporcionou também alimentar a alma, permitindo vermos tudo doutra maneira, com outros olhos.

Assim, no dia 5 de junho, (Dia Mundial do Ambiente), partimos de Amora convictos de que voltaríamos muito melhor.

Depois de alguns quilómetros, uma breve paragem na Abrigada, para degustar um pequeno-almoço, de modo a retemperar forças para o que o dia nos iria proporcionar.

Ainda na Abrigada fomos até ao Instituto da Sãozinha, a “Florzinha de Abrigada", uma menina privilegiada, que morreu aos 17 anos, era bem dedicada a Jesus, com bastantes virtudes, com um coração de ouro.

Toda a sua pequena existência foi pautada por sentimentos de pureza, resignação, caridade.

São suas as palavras: “Se eu fosse muito rica, havia de arranjar uma grande casa para os velhinhos e as crianças” e passados anos, a sua vontade cumpriu-se e foi por essa casa que passámos. Uma obra construída no jardim da sua casa: um Centro de Dia para os idosos e uma Creche para crianças.

Também foi possível observarmos o seu modesto quartinho, o consultório do seu pai e a capela.

Depois de bem reconfortados com a história de vida da “Florzinha” começámos a subir a Serra de Montejunto e chegámos à fábrica de neve, também designada Real Fábrica do Gelo, que desde 1997 é classificada como Monumento Nacional.

A fábrica é uma estrutura tecnológica única, dedicada ao fabrico do gelo natural.

As primeiras informações da produção do gelo natural, datam de 1741 e essa produção está associada aos novos hábitos de consumo de bebidas geladas e de gelados, que se desenvolveram na Corte ou entre as classes mais ricas e também à medicina.

A fábrica está integrada num complexo composto por três áreas funcionais:

  1. Área de elevação e distribuição da água, constituída por dois poços, uma casa da nora e um tanque reservatório, que tinha como principal função, elevar e armazenar a água, que posteriormente era distribuída por geleiras.
  2. Área de tanques de congelação ou geleiras, conjunto de tanques com pequena profundidade (com cerca de 10/15 cm de altura), aqui após a obtenção do gelo, fazia-se a sua recolha, antes do nascer do sol, sendo transportado depois para os poços de armazenamento.
  3. Área de poços ou silos de armazenamento de gelo e área de expedição, esta área integra dois poços de armazenamento (o maior com 346 m3 de capacidade), onde o gelo era compactado de modo a evitar grandes perdas, uma sala onde se cortava e embalava o gelo (em palha e sarapilheira, para manter a baixa temperatura) e um terceiro poço onde se armazenava o gelo preparado a ser expedido.

A produção do gelo natural, destinava-se a abastecer Lisboa, tanto a corte, como alguns cafés, nomeadamente o Martinho da Arcada.

O transporte do gelo constituía uma operação bastante difícil, devido à inexistência de caminhos rápidos.

O transporte realizava-se pela encosta sul da Serra de Montejunto até ao Rio Tejo e daí até Lisboa.

Nessa época era muito importante e valiosa a utilização do gelo natural, daí se dizer que: “quando o silo grande estivesse cheio, o pequeno estaria cheio de moedas de ouro”.

Ainda no cimo da serra foi possível observar-se a Capela de Nossa Senhora das Neves e as ruínas dum Convento Dominicano. Do alto da serra conseguimos uma vista espectacular de 360º, observando ao longe as aldeias, vilas, cidades, o mar e até as Berlengas.

Descendo a serra, chegámos a Alenquer, ao restaurante “D. Nuno”, onde degustámos um belo almoço, com um apetitoso bacalhau e doces bem saborosos.

Após o almoço,  percorremos algumas ruas junto ao rio Alenquer e chegámos à Casa Museu João Mário.

João Mário é um pintor de arte figurativa, que utiliza a técnica de óleo e espátula em tela. Este pintor procurou outros horizontes nomeadamente: Itália, Alemanha, Bélgica; acumulou bastantes prémios e é considerado um dos grandes mestres contemporâneos da pintura impressionista. Não se limita a pintar, também partilha a sua criatividade e o seu saber, apesar dos seus 85 anos, a alunos da Universidade Sénior de Alenquer.

A sua Casa Museu reflete a sua paixão pelas artes plásticas, iniciadas desde muito novo.

Neste museu encontram-se expostas grande parte das suas obras, muitas de locais reais por onde passou e se inspirou. Essas obras encontram-se nas salas: “O meu percurso”, “João Mário hoje”, e “A Europa vista por João Mário”.

Fazem ainda parte do espólio do museu, obras de vários artistas nacionais e internacionais, reunidas na sala “Artistas meus amigos”. Contém ainda desenhos do rei D. Carlos, D. Fernando e de Columbano Bordalo Pinheiro.

O museu possui ainda um Auditório, onde são promovidas iniciativas de cariz cultural, uma sala de exposição temporária.

O mesmo é visitado por inúmeros visitantes, alguns deles, personalidades sobejamente conhecidas do nosso país.

Esta visita propiciou-nos bastante interesse de cariz cultural, que acrescentou bastante vivacidade e dinamismo em toda aquela paleta de cores e permite valorizar Alenquer.

Após este banho de cultura da arte de pintura, dirigimo-nos ao Museu Damião de Góis, que se situa na Igreja de Santa Maria da Várzea, junto ao troço de muralha do Castelo, com a qual a antiga Judiaria confinava. Fomos recebidos pelo Diretor do Museu, que nos acompanhou na visita, dando todas as explicações, de uma forma muito eloquente e apaixonada e que nos prendeu bastante a atenção.

Em meados do século XIX ficou devoluta e despojada de objectos de culto, rapidamente se foi degradando ao longo dos anos, mas ainda sofreu algumas obras de reconstrução, mas que nunca acabaram.

Era, portanto, imperioso fazer-se a reabilitação do templo, pois pretendia-se dignificar a sepultura do mais insigne alenquerense, ali sepultado em 1514, Damião de Góis.

Com a adesão de Alenquer à Rede de Judiarias de Portugal, em setembro de 2011, sentiu-se necessidade de se encontrar um imóvel onde pudesse ser instalado um espaço de memória (museu) relacionado com a Judiaria de Alenquer e com as vítimas da Inquisição.

Neste espaço pode-se encontrar a sepultura do humanista, uma exposição consagrada à sua vida e obra, com destaque à sua condição de vítima da Inquisição, a par com os judeus/cristãos novos.

Na sua crónica relatou o massacre de judeus em Lisboa, em 1506 e foi acusado e julgado pela Inquisição, por se considerar que se desviara da antiga fé da igreja e por influência de Lutero.

Este espaço (museu) enquadra-se no projeto “Rotas de Sefarad: valorização da identidade judaica portuguesa no diálogo interculturas”.

Do ponto de vista histórico e simbólico, é muito interessante a visita a este museu, que nos permite ter conhecimento da Inquisição como instituição e como poder.

A hora já ia tardia, mas mesmo assim, não nos sentíamos cansados. Então iniciámos a viagem de regresso à Amora, convictos, bem conscientes e reconfortados de que é possível fazer-se a requalificação de espaços, para memória futura, com um óptimo aproveitamento a nível pedagógico.

Agradecemos à Unisseixal e em especial à nossa Professora, a visita que nos proporcionou e assim continuaremos a promover a abertura de horizontes, o estreitamento de relações de amizade e convívio salutar, aproveitando estes “nossos anos doirados”, da melhor forma possível.

Texto de Maria José Gonçalves

Fotos de Alberto Maia

Fotos Visita Estudo

1 Comentário

  1. Manuel José Marramaque Manuel José Marramaque
    Tuesday, 12 de June de 2018    

    Estamos no fim de mais um ano de aulas e de visitas de estudo. Verificamos que há nesta turma a que pertencemos já a alguns anos um pequeno grupo que se distingue, pelo trabalho suplementar que apresenta, elaborado de modo simples educativo e sempre envolvido pelas fotos que nos fazem reviver atempadamente o que visitamos..Temos o prazer de beneficiar dos conhecimentos e da disponibilidade da senhora professora Mariana Mareco uma professora experiente, sabedora e pontualíssima.
    Resta-nos pois publicamente agradecer a todos que podem e conseguem ajudar-nos a passar melhor o tempo enriquecendo-o culturalmente. A todos o meu obrigado e os meus parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com