Universidade Sénior do Seixal

EVOA – Espaço de Visitação e Observação de Aves

Visita de Estudo ao EVOA, da turma de Património Histórico e Natural, do Prof. Manuel Lima, no dia 01 de Dezembro de 2017.
Na margem esquerda do estuário do Tejo, entre a Lezíria Sul e o estuário, no coração da mais importante zona húmida de Portugal, e uma das dez mais importantes da Europa – a Reserva Nacional do Estuário do Tejo - está localizado o EVOA – Espaço de Visitação e Observação de Aves. Destino da nossa Visita de Estudo, o objetivo era a observação de algumas das espécies de aves que sobrevoam esta importante reserva.
Durante o trajeto de autocarro pela Lezíria Sul a caminho do EVOA (cerca de 14km), podemos observar áreas de pastagem, culturas de regadio, a Ermida de Nossa Senhora de Alcalé, de entre tantas outras coisas.
O projeto EVOA engloba;
- 3 Zonas húmidas, que ocupam cerca de 70 ha, dotadas de diversos tipos de habitats, observatórios e percursos camuflados, que são utlizadas como área de refúgio ou de nidificação de aves: a Lagoa Principal, a Lagoa Rasa e a Lagoa Comprida .
- Um Centro de Interpretação Ambiental, com espaço de exposições permanente e temporárias, uma Sala Multiuso e outras zonas de acolhimento.
- A Salina Saragoça, habitat de refúgio e de nidificação.
Visitámos a Lagoa Principal, com cerca de 10 ha e uma profundidade máxima de 1,5m, que permite manter no local, durante todo o ano, patos (anatídeos – anfíbios) e a Lagoa Rasa, com uma pequena altura de água no Inverno (10 a 15cm) que é utilizada como refúgio e local de alimentação de aves aquáticas invernantes ou de passagem. No Verão esta Lagoa seca e constitui um local de nidificação para várias espécies.
A Lagoa Grande, que não visitámos, fornece habitats húmidos adicionais, sendo a sua profundidade gerida em função das necessidades.
Em resumo, vimos as exposições, assistimos à projeção de um vídeo e observámos algumas aves nas Lagoas Principal e Rasa, que o nosso guia foi identificando (Pato-real,Alfaiate,Tarambola,Abibe, Borrelho-cinzento, Flamingo, Águia-sapeira). Foi uma boa experiência numa manhã bem preenchida.
Depois do almoço, no Porto Alto, e na viagem de regresso à Amora, tivemos a oportunidade de visitar o Estaleiro Jaime Ferreira da Costa & Irmão, em Sarilhos Pequenos, que se dedica à construção e reparação naval de embarcações em madeira, como Canoas, Catraios, Fragatas, Varinos, etc. Jaime Costa, filho do fundador e atual proprietário, falou-nos sobre esta atividade e sobre as dificuldades que este setor está a atravessar. Preocupante.
Chegámos à Amora cerca das 18 horas.
Obrigado Prof. Manuel Lima por mais uma visita de estudo bem interessante.

Texto de Carlos Neves

 

Edição e Reportagem Fotográfica  Bárbara e Alberto Maia

 

EVOA - Lezíria Ribatejana

Sem comentários ainda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *